terça-feira, 26 de abril de 2011

Eu e o mar

Sou assim
As vezes me confundo
Com a turbulência do mar

Me agito
Como suas ondas

Sou tempestuosa
Como no furor das suas águas

Minhas lágrimas tem o mesmo sabor
Das águas salgadas do mar

Sua cor jambo do entardecer
Lembra minha cor morena

Sua música
Lembra o palpitar
Do meu coração

Sua melodia me traz mistérios
Que quero descobrir

Me deixo levar ao desconhecido
Do auto mar

Revelando o que quero saber
Sobre você

Sobre o que sente por mim
E assim vou descobrir
Quem estou amando

Sou assim
Da mesma forma do mar
Na mesma impulsividade do mar

E te digo que te amo
E sempre vou te amar

Anjopoesia

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada pela visita, deixe um comentário que vou interagir assim que ler...Obrigada

Calar-se

Calar-se        Falar por vezes  pode machucar Acaba-se  falando o que não se quer dizer... Falar..   pode não ser aque...